MENU

História

Construído pelo médico Álvaro Alvim entre 1906 e 1910, o imóvel ocupado pela CCLA é uma das poucas casas que restam na orla. Originalmente, no final do século XIX e início do século XX, após os loteamentos em Ipanema, o bairro era ocupado por casas térreas ou sobrados.

Hoje uma raridade no bairro, a Casa possui estilo colonial com toques de pós-modernidade. Sua arquitetura é atração no endereço mais valorizado da orla. Quando Laura Alvim realmente começou as primeiras obras, elaborou, ela mesma, o projeto das reformas e o resultado foi uma grande mistura de estilos. Mesmo assim, a Casa mantém até hoje seu charme em meio à modernidade urbana da orla do bairro.

Laura Alvim

Nascida, em Botafogo, no dia 2 de novembro de 1902, Laura Agostini de Villalba Alvim, conhecida como Laura Alvim, foi a primeira mulher a escrever seu nome na história de Ipanema. Filha do médico Álvaro Alvim, introdutor do raio-X no Brasil, e neta do caricaturista republicano e abolicionista Angelo Agostini, fundador da Revista Ilustrada e do jornal O Cabrião – , Laura cresceu num ambiente de cultura.

Após a morte do pai, dedicou sua vida à arte, incentivando novos artistas. Aos poucos, foi transformando o lugar onde morava em um centro cultural. Mulher à frente de seu tempo, Laura queria ser atriz, mas sua família nunca o permitiu. Resolveu fazer desta frustração um estímulo: construiu nas dependências da casa um palco, onde declamava e encenava para amigos, promovia encontros entre veteranos e jovens artistas, sempre incentivando a cultura. Além disso, abriu as portas da Casa para as companhias ensaiarem peças teatrais.